Prefeitura busca “padrão Fifa”

Upa regiao leste em londrinaQuase pronta: UPA da Leste Oeste é “padrão Fifa”

. Um resumo das principais obras concluídas e em andamento

. A boa qualidade do ensino recebe prêmio nacional (IDEB)
. Orgulho londrinense: a Sercomtel ganha novo impulso
. Cidade tem mais médicos e mais professores

 

Quando a administração Alexandre Kireeff assumiu a Prefeitura de Londrina, em janeiro de 2013, havia uma previsão de déficit de R$ 70 milhões. A Prefeitura não tinha máquinas em condições de fazer nem serviços essenciais básicos. Na saúde havia uma ambulância com cerca de 1 milhão de quilômetros rodados e pneus carecas;  postos de saúde sem manutenção, faltavam médicos. Na Educação faltavam 600 professores e 79 salas de aula. Praticamente não havia merenda nem transporte escolar. Além desse quadro, que exigiu ações urgentes, também a Sercomtel estava em dificuldade, com dívida de R$ 65 milhões e um pedido à Prefeitura de aporte de capital de R$ 47 milhões. Não bastasse tudo isso, em novembro de 2012, dois meses antes da posse, a Prefeitura sofreu uma multa de quase R$ 80 milhões do Ministério da Previdência. Havia outros desafios.

Entre as primeiras medidas, Kireeff criou o Plano de Eficiência Administrativa-1 e o Plano de Eficiência Administrativa-2. No esforço para colocar a casa em ordem, a administração priorizou o pagamento de dívidas, cuidou da Saúde, da Educação e da Segurança, quatro itens diretamente relacionados às necessidades da população. Em seguida, vieram outras obras como duplicação e prolongamento de avenidas, construção de pontes e conclusão de um viaduto (Nova Olinda); o teatro municipal, com maior parte dos recursos do governo federal. Paralelamente, se planejava a Londrina do futuro com projetos de mobilidade urbana, incluindo o futuro BRT, que concebeu um projeto mais adequado, porém igualmente ousado, que é o super bus.

Foram criadas leis para flexibilizar exigências na implantação de indústrias. Precisava tornar a cidade mais acessível e receptiva aos investidores. Havia o que os próprios empresários chamavam de “muralha”, dificultando a implantação de indústrias. Essa lei, criada no governo Barbosa Neto, foi derrubada pelos vereadores na última Legislatura.

Hoje, sabendo das mudanças, muitas empresas já manifestaram interesse em instalar filiais em Londrina.

O que mudou?

Dois anos depois, no limiar de 2015, a realidade é bem diferente: reformas em postos de saúde (UBSs), construção de novas UBSs e construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). Algumas dessas obras o prefeito costuma chamar de “padrão FIFA”. Em referência ao capricho e à funcionalidade.

Um resumo de como a administração fecha o ano

–  As finanças da Prefeitura, ainda apertadas, foram saneadas e a situação é de equilíbrio; para se  chegar a este ponto, houve muito esforço e austeridade com os gastos. Mesmo assim a administração pretendeu uma nova Planta de Valores, que elevaria o IPTU em toda a cidade.

Na Educação

– A falta de salas de aula foi suprida e o quadro de professores foi ampliado em 630 profissionais; escolas receberam melhorias, Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) foram construídos e reformados.

– Desde o início da gestão, 752 novos professores foram contratados. Para o ensino fundamental foram 438 professores; para a educação infantil 278 novas contratações e para o ensino de educação física foram chamados 36 professores e mais 22 técnicos em gestão para a Secretaria de Educação.

– Foram construídos três novos CMEIs e reformadas três Escolas Municipais. A Secretaria de Educação adquiriu 600 computadores destinados às unidades escolares e sede administrativa e 150 notebooks que auxiliam professores e diretores nas capacitações e na elaboração dos programas de aulas.

– O ensino público deu um salto de qualidade, ganhou prêmio do Ministério da Educação e muitas escolas públicas estão competindo com escolas particulares.

– A conquista do primeiro lugar no IDEB foi algo marcante como parâmetro aferidor da qualidade do ensino em Londrina. Em 2014 foi grande o número de crianças que se transferiram do ensino particular para escolas públicas, reconhecendo que o ensino público tem boa qualidade.

A Sercomtel em ascensão  

– A empresa Sercomtel, que no início de 2013 estava em situação difícil, fechou 2014 com lucro, embora um lucro modesto – como ressalva o prefeito -, mas é uma condição diferente daquela de dois anos atrás. E ainda cria uma empresa, a Sercomtel Iluminação, que assume a iluminação pública e ornamental do município com proposta para dinamizar e melhorar os serviços. A Sercomtel – que quase foi negociada em passado recente – hoje é uma empresa pública que, com dinheiro público, presta mais um serviço público, que é cuidar da iluminação pública.

– De quebra, e de forma emblemática, a Sercomtel ainda assume o patrocínio do Londrina Esporte Clube. Um bom investimento publicitário.

Saúde: mais médicos, ambulâncias e raio-x

– Na Saúde há seis ambulâncias e os aparelhos de raio-x são dois, funcionando 24 horas (dois anos atrás havia um, que funcionava 16 horas). Prevalece um desafio: o tempo de espera nas filas para casos não emergenciais diminuiu, mas ainda é considerado longo pelo prefeito Alexandre Kireeff – que fez esta observação ao prestar contas na Associação Médica de Londrina, oportunidade em que também houve debate sobre saúde pública.

– Foram reformados 17 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e construídas novas unidades.  Está em fase avançada a construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Leste-Oeste.

– Ainda na Saúde foram contratados mais de 400 profissionais, dos quais cerca de 180 são médicos.
Máquinas pra toda obra

– Quanto ao maquinário – que estava sucateado, sem condições de uso – a mudança foi muito grande. Hoje há máquinas versáteis e modernas. Somente do Programa Paraná Cidades chegaram 32 unidades, entre retroescavadeiras, pás carregadeiras,  caminhões dotados de equipamentos. Tudo isso foi comprado através de financiamento, não se trata de doação. Do governo federal veio escavadeira hidráulica para serviços de manutenção de estradas municipais. Também estão chegando máquinas para a agricultura, que serão locadas mediante contratos. Obras tocadas pela Prefeitura com recursos próprios e do governo federal são muitas e grandes, como o Teatro Municipal,  cujo ritmo foi desacelerado momentaneamente, por falta de repasse de verbas, mas a construção continua; é obra de envergadura.

Obras do sistema viário

– A construção de duas grandes avenidas (Angelina Ricci Vezozzo e Antônio Carvalho Laje) vai ligar a Saul El  Kind às rodovias BR-369, divisa com Ibiporã, e PR-445, divisa com Cambé.  Antes, foi construído o viaduto Nova Olinda também na Zona Norte.

Foram realizadas obras nas avenidas Higienópolis e Castelo Branco; na Castelo o projeto é de duplicação. A rodovia Mábio Palhano está sendo ampliada. Faz parte do projeto a construção de pontes, tanto na Castelo Branco como no Mábio Palhano.

Mobilidade urbana

A preocupação com a Londrina do futuro levou ao projeto audacioso do BRT com adequação para o Super Bus que tem a consultoria (de graça) de uma ONG com experiência  internacional, a Embarq Brasil.  Com a participação de técnicos da Prefeitura (através do IPPUL e Secretaria de Obras) e representantes da comunidade, foi projetada a Londrina de 100 anos, em 2034. Participaram instituições ligadas ao trânsito: sindicato dos taxistas, dos mototaxistas, dos motoristas de ônibus. Londrina avança para tornar-se uma cidade que protege o pedestre e respeita a vida, incentivando o ciclismo.

A Prefeitura concluiu outras obras fora da Saúde e da Educação. Podem ser citadas: Praça da Juventude da Zona Sul, Praça da Juventude da Zona Norte, Centro de Assistência do Idoso, entre outras.

A agenda para 2015, entre outras obras, prevê o Arco Leste, avenida Angelina Ricci Vezozzo e avenida Antônio Carvalho Lage, além de obras menores e as já citadas, que estão em andamento.

Defesa Social

– A Guarda Municipal realizou dois cursos de formação para novos profissionais. O primeiro formou 182 agentes, e o segundo curso 49. Ao todo, a Defesa Social conta com 367 homens, mas quando o prefeito assumiu eram apenas 191.

– Curso Multiplicador de Polícia Comunitária para atuar no Programa “Crack, é Possível Vencer”, coordenado pelo ministério da Justiça, formou 41 Guardas Municipais.

– Curso para manuseio de armamento menos letal: operador de dispositivo eletro incapacitante (Spark) e espargidor de agentes químicos.

– Curso de pilotagem de motocicleta nível I, com objetivo de melhorar a ação da Guarda Municipal em situações que exijam maior agilidade.

– Curso para Operador de Motosserra ministrado pela SEMA, para apoio em situações que seja acionada a Defesa Civil.

– Capacitação Técnica sobre Drogas, promovido pelo Centro Antitóxico de Prevenção e Educação da Divisão Estadual de Narcóticos.

– Curso de capacitação “Conhecer para Prevenir”, ministrado pela Guarda Municipal de Curitiba, que tem como objetivo direcionar as ações que devem ser promovidas em situações de desastres naturais ou provocados.

– Curso para Operador de Micro-ônibus utilizado no Programa Crack, é Possível Vencer.

– Dois ônibus de videomonitoramento foram adquiridos para Londrina. Eles foram adquiridos em outubro e equipados para combater o tráfico e consumo de entorpecentes no município.

Não estão citadas todas as obras.

As informações são do Núcleo de Comunicação da Prefeitura de Londrina.

Antenor Ribeiro – Destaknews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *