Neymar leva o Brasil à vitória

O jogo contra a seleção do México valia a classificação. Mas, para alguns jogadores, era hora de colocar as coisas em seus devidos lugares. O México vinha abusando nos últimos encontros, notadamente neste milênio. Freguês de caderno, o México estava com uma contabilidade favorável em relação aos resultados dos jogos mais recentes e também tirara o Ouro olímpico que o Brasil ainda não tem. E exatamente de uma parte da Seleção do Brasil que iria jogar no Castelão.

Quando o Hino do Brasil foi entoado pelos cearenses que lotavam o Castelão, teve jogador com lágrimas nos olhos, arrepios pelo corpo e nó na garganta. A bola rolou e a impressão era de que seria uma exibição de gala do futebol pentacampeão mundial. Chances foram criadas, e jogadores chamavam a torcida para apoiar. Teve gol anulado… até que Neymar, de esquerda, aparou cruzamento de Daniel Alves, desviado por um zagueiro mexicano e, sem deixar cair, meteu na rede. 1 x 0. Golaço. Gol de quem sabe o que faz. Contra o Japão foi com a direita. Contra o México, com a canhota. Torcedores do Barcelona devem estar notando que o clube fez uma grande contratação.

O gol saiu aos oito minutos e até por volta dos 20 a Seleção do Brasil imprimia um ritmo bom à partida. Porém, após isto, teve uma queda acentuada. Davi Luiz  ainda fraturou o nariz, precisou ser medicado, saiu de campo, deixou a Seleção com 10 e os mexicanos mostraram apetite. Foram à frente e criaram jogadas, notadamente pelo setor de Marcelo, que tem alguma deficiência na marcação. Enquanto isso, no meio de campo Oscar não atuava como se esperava e Paulinho ficava como volante de contenção, na tentativa de impedir os ataque mexicanos.

Quando terminou o primeiro tempo com a vantagem brasileira, se imaginava que Felipão iria cobrar o time e reposicionar seus jogadores de forma a retomar o domínio da partida. E a Seleção melhorou o desempenho, tocou mais a bola, porém o México também mostrava sua força e deixava a torcida inquieta, pois poderia”achar” um gol em alguma jogada mais aguda pela esquerda da defesa brasileira. Era por ali que o treinador mandava sua equipe atacar, explorando o lado de Marcelo.

O Brasil marcou e o árbitro anulou gol de Tiago Silva, por impedimento de Paulinho na jogada. Mas o gol que daria tranquilidade, demorava a sair. Até que Neymar jogou como fazia no Santos. Apanhou a bola pela esquerda, foi penteando a redonda, levou para a ala direita da defesa mexicana, com dois jogadores em sua perseguição. E o espaço ia diminuindo, a linha de fundo chegando, até que o camisa 10 driblou os dois zagueiros e cruzou na medida para Jô, que havia entrado no lugar de Fred, que marcou o segundo gol. Foi a vibração final. A torcida delirou. O placar registrou a vitória e o Brasil tem seis pontos, já classificado, ficando apenas na expectativa de ser o primeiro do grupo, dependendo do resultado de Japão e Itália ou do jogo do próximo sábado. Neymar foi o nome do jogo, mais uma vez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *