Meu amor, meu caso, minha mulher

Meu amor, meu caso, minha mulher

Às vezes dá vontade de ligar para você, no meio de uma tarde, só para ouvir sua voz. Nem sempre resisto á tentação de lhe propor que vá para casa mais cedo, a fim de desfrutarmos mais dos nossos momentos. De vez em quando, se fecho os olhos, visualizo nossas cenas, cheias de amor, e experimento um prazer parecido, que logo quero completar com você. Um arrepio me sacode nas lembranças vivas que conservo da nossa primeira vez.

Gosto de lembrar você, em casa, só de avental, me esperando para o jantar, num convite que abria meu apetite, aumentava minha fome, me satisfazia por inteiro. Você soube conservar a chama do nosso amor, naqueles primeiro tempos. Havia uma ansiedade, de nós dois, para aproveitar todos os segundos que passávamos juntos. Continuava, no casamento, sendo minha namorada, minha amiga, minha mulher.

Como é bom voltar atrás no tempo, para reviver a emoção da notícia da que você me deu, de que eu seria pai. Me senti mais homem. Comecei a ver o mundo com outras cores. Viria um filho para nos unir ainda mais. E viria um novo tempo para dois jovens inexperientes, despreparados para superar madrugadas, noites, com o bebê chorando, às vezes com febre, fome, ou simplesmente querendo dormir entre nós dois.

Meu pensamento pára, às vezes, com as lembranças, quando algo feio se apresenta, mostrando meu erro, numa traição que você descobriu e que a fez chorar. Ainda agora tento buscar uma justificativa, uma explicação, e só chego à conclusão de que só me resta novamente pedir perdão. Gostaria de apagar estas imagens, mas conservo-as gravadas em minha mente. Talvez sejam elas a determinar que eu a ame cada vez mais, para compensar as lágrimas que derramou por mim.

Quando acordo de madrugada e vejo você ao meu lado, agradeço a Deus por tê-la colocado em meu caminho. E quando a acordo, com carinhos irrecusáveis, é por que só quero fazê-la feliz. Talvez jamais lhe diga estas coisas que me povoam a mente. Mas se a timidez me mantiver calado, quando um dia ler estas palavras, lembre-se de que foram escritas com o maior amor do mundo.

Antenor Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *