Londrina sediará Reunião sobre Ciência do Solo

Londrina será sede da 3ª Reunião Paranaense sobre Ciência do Solo

Um olhar apurado sobre os sistemas conservacionistas de produção é o objetivo da 3ª Reunião Paranaense de Ciência do Solo, que será realizada de 7 a 9 de maio, no Hotel Sumatra, em Londrina. Debates sobre o tema vão reunir pesquisadores, técnicos, estudantes e agricultores, com ênfase no manejo e conservação do solo. A promoção é da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, com organização do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar).

Essa terceira edição vai consolidar o evento que, nos últimos anos, vem sistematizando conhecimento e informações sobre pesquisa e extensão no Estado. “O objetivo é promover uma discussão que contemple as diferentes características e as particularidades regionais do Paraná”, diz Arnaldo Colozzi Filho, pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), vice-presidente do Núcleo Paranaense de Ciência do Solo e presidente da 3ª Reunião Paranaense de Ciência do Solo.

Colozzi explica que o conhecimento e técnicas utilizados no manejo e conservação do solo resultam dos esforços de pesquisadores de instituições públicas como o Iapar e Embrapa, instituições privadas, universidades, além dos órgãos destinados à extensão e assistência técnica, como Emater e cooperativas.

Este é justamente o público que, durante três dias, vai tratar das questões que envolvem o tema. A cada edição o evento atrai mais interessados, o que se comprova no volume de trabalhos inscritos: neste ano são 342 trabalhos, contra os 240 inscritos na segunda reunião, em 2011, e dos 99 apresentados na primeira reunião, realizada em 2009. Os participantes vão tratar dos temas em conferências, palestras, painéis, plenárias, debates, minicursos e sessões de pôsteres.

ITINERANTE – A importância do solo na prática da agricultura conservacionista leva o Núcleo a realizar o evento nas diferentes regiões do Paraná, contemplando as especificidades de cada área. “O Núcleo pretende rodar o Estado inteiro. A primeira reunião foi realizada em Pato Branco e a segunda em Curitiba”, diz Colozzi.

O tema central do encontro é o solo, como componente dos sistemas conservacionistas de produção. “Temos como princípio que não vale a produção a qualquer custo. É preciso ações para preservação e melhoria das condições do solo”, explica. A programação do evento foca o manejo, conservação, fertilidade e nutrição, física, biologia, educação e ciência do solo, que são as áreas de abrangência do Núcleo paranaense.

PROGRAMAÇÃO – A abertura da 3ª Reunião Paranaense de Ciência do Solo será realizada no dia 7 de maio, às 8h30, pelo pesquisador Rolf Derpsch, com a conferência “Sistemas conservacionistas de produção: como assegurar a sua sustentabilidade?”.

O pesquisador vai traçar um panorama mundial sobre o tema, partindo da larga experiência e atuação em países de vários continentes, inclusive o Brasil. Aqui, Derpsch desempenhou pesquisas na área de solos do Iapar, no período entre 1977 e 1984. “Derpsch dará o tom de todo o evento”, diz Colozzi.

O pesquisador João Carlos Sá, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), dará continuidade ao tema com a conferência “A qualidade do solo em sistemas conservacionistas de produção”, a partir das 10h40.

A tarde do dia 7 será ocupada por plenárias e palestras. A palestra “Uso do solo em sistemas conservacionistas para o cultivo de pastagens” ficará a cargo de Tangriani Simioni Assmann, da Universidade Técnica Federal do Paraná (UTFPR) de Pato Branco.

A palestra “Uso do solo em sistemas conservacionistas para o cultivo de perenes” será proferida pelo pesquisador Pedro Antonio Auler, do Iapar de Paranavaí. O professor Volnei Pauleti, da Universidade Federal do Paraná (UFPR) falará sobre “Uso do solo em sistemas conservacionistas para o cultivo de culturas anuais”.

No dia 8 a programação segue com painéis. O primeiro deles, “Processos de degradação do solo: ameaças aos sistemas conservacionistas de produção”, ficará a cargo do pesquisador Gustavo Ribas Curcio, da Embrapa Florestas, de Colombo, e dos professores Edivaldo Lopes Thomaz, da Unicentro de Guarapuava, e Avacir Casanova Andrello, da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

“Indicadores de qualidade do solo: uma abordagem em construção?” é o tema do segundo painel, que será abordado pelos professores Eduardo Fávero Caires, da UEPG, Cassio Tormena, da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pela pesquisadora Ieda de Carvalho Mendes, da Embrapa Cerrados.

Ieda vai apresentar o projeto nacional que busca a proposição de indicadores biológicos da qualidade do solo. “Inovação tecnológica no uso e manejo do solo e da água” é o tema a ser abordado por Renato Viana Gonçalves, da Secretaria de Estado da Agricultura, que falará sobre o Programa de Agricultura de Baixo Carbono no Paraná, e pelo professor Jó Klanovicz, da Unicentro de Irati, que mostrará os trabalhos realizados com agricultores.

Após o painel, o técnico Nelson Harger, da Emater, fará a palestra “A visão da assistência técnica pública sobre a inovação no uso e manejo do solo paranaense”.

O painel “Plantio direto. O solo como componente do sistema: desafios”, será abordado pelo professor Ricardo Ralisch, da UEL, e pelo pesquisador Rafael Fuentes Llanillo, do Iapar. Neste painel será feito relato de experiências dos agricultores com o sistema.

“Recursos biológicos do solo nos sistemas conservacionistas de produção” é o painel que será desenvolvido pelo professor Dilmar Barreta, da Udesc, de Chapecó (SC) e pelos pesquisadores Mariangela Hungria, da Embrapa Soja, e Solon de Araújo, da ANPII/SCA, de Campinas.

Ainda no dia 8, a partir das 10h20, haverá o painel “O uso de resíduos no solo: avanços e dificuldades”, que será tratado pelo pesquisador Juliano Corulli Corrêa e Rodrigo da Silveira Nicoloso, da Embrapa Suínos, e Cícero Blay Júnior, da Itaipu Binacional.

À tarde haverá o painel “O manejo do solo no sistema integração lavoura-pecuária-floresta: a experiência paranaense”, com os pesquisadores Simony Lugão, do Iapar de Paranavaí, Alvadi Balbinoti, da Embrapa Soja, e com o professor Jonatas Thiago Piva, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Curitibanos (SC).

No painel seguinte o tema é “Dinâmica da matéria orgânica do solo”, a cargo do professor Jeferson Dieckow, da UFPR, e dos pesquisadores Mario Miyasawa, do Iapar, e Sandra Mara Fontoura, da FAPA, de Guarapuava.

A programação dos painéis termina com o tema “Educação em solos e sistemas conservacionistas de produção”, que será tratado pelos professores Nilvania Aparecida de Mello, da UTFPR, de Pato Branco, Marcelo Ricardo de Lima, da UFPR, e João Tavares Filho, da UEL.

MINICURSOS – A programação ainda conta com cinco minicursos, que serão ministrados no Centro de Difusão de Tecnologia do Iapar:

“Métodos químicos e espectroscopia para a caracterização da matéria orgânica do solo”, pela professora Larissa dos Santos, da UTFPR, de Pato Branco. “Indicadores microbiológicos da qualidade do solo”, a ser ministrado por Marco Antonio Nogueira, da Embrapa Soja. “Espectrorradiometria difusa para estudo do solo”, por Marco Rafael Nanni, da UEM.

“Perfil cultural: manejo físico, químico e biológico do solo”, a cargo de Maria de Fátima Guimarães, da UEL, e Graziela Barbosa, do Iapar. E “Metodologia para condução de experimentos envolvendo silício”, com Luiz Antonio Zanão Júnior, do Iapar de Santa Tereza do Oeste.

VISITAS TÉCNICAS – No último dia do evento estão programadas visitas técnicas. A primeira será realizada nas sedes do Iapar e Embrapa Soja. A segunda será uma excursão em áreas de cultivo pelo sistema de plantio direto em Mauá da Serra. Um dos pontos altos da programação é uma visita ao Museu do Plantio Direto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *