Sandra Graça se livra de CP

A Câmara Municipal de Londrina analisou na sessão desta terça-feira a admissibilidade da formação de uma Comissão Processante contra a vereadora do SDD, Sandra Graça. Havia até um pedido de adiamento feito pela defesa à presidência do Legislativo para que fosse admitido de que o prazo para a punição já prescrevera. Essa votação da CP foi decidida na última quinta-feira para ser votada na sessão de hoje da Câmara de Vereadores. Segundo o advogado Dely Neves, o adiamento seria necessário porque foram apresentados argumentos novos pela defesa e que não foram analisados pela Mesa.

Agora, porém, não há mais necessidade de qualquer argumento junto aos vereadores, pois não foi alcançado o quorum necessário para o prosseguimento da matéria.

Votaram contra a abertura da Comissão Processante os vereadores Elza Correia (PMDB), Emanuel Gomes (PRB), Gerson Araújo (PSDB), Jamil Janene (PP), Lenir de Assis (PT), Marcos Belinati (PROS), Péricles Deliberador (PMN), Vilson Bittencourt (PSL) e Tio Douglas (PTB). A favor da abertura, o presidente Rony Alves, Roberto Kanashiro (PSDB), Roberto Fú (PDT), Professor Fabinho (PPS), José Roque Neto (PR), Mario Takahashi (PV), Junior Santos Rosa (PSC), Gustavo Richa (PHS) e Gaúcho Tamarrado (PDT).

Com a abstenção da vereadora, por motivos óbvios, a presidência determinou o arquivamento. Quando foi encerrada a votação, o autor da denúncia, suplente de vereador do PP, Emerson Petriv, que acompanhava a sessão das galerias, começou a protestar, sendo alertado por Rony Alves para se acalmar para que os trabalhos pudessem ser retomados. No entanto, seguranças do legislativo o retiraram do local para evitar que ele pulasse no plenário da Câmara, o que ele já realizara anteriormente durante uma sessão ordinária.

A vereadora revelou, recentemente, que não pretende mais disputar eleições, magoada com acusações que lhe são feitas e procedimentos como o que determinou essa votação, considerada “fogo amigo”, já que a denúncia foi feita por um elemento do PP, partido pelo qual ela se elegeu.

Da redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *