Renan Calheiros é derrotado no Senado

Nas redes sociais, nos últimos dias, intensifou-se a campanha #renannão ou #renanfora, demonstrando que os eleitores queriam a continuidade de mudanças após as eleições de 2018. E um personagem dos mais emblemáticos com o quadro que se quer esquecer, aparecia como candidato pela quinta vez ao cargo de Presidente do Senado. Estratégias foram montadas e vários nomes apareceram para concorrer com o líder do MDB, que já foi apoiador de outros governos, de acordo com sua conveniência.

No dia da votação, em pleno sábado, o que é um diferencial para Brasília, que normalmente se esvazia na quinta-feira, os 81 senadores estavam reunidos para a escolha. Após efetivação de algumas candidaturas, desistências estratégicas começam a ocorrer e o era visível o esvaziamento da candidatura medebista. Numa primeira votação secreta, em cédula ade papel e urna de madeira, o Senado demonstrou um despreparoo para algo tão simples que causa espécie. Após a votação descobriram que na urna existiam 82 votos depositados. E nova tensão ocorreu com uma discussão a respeito do que fazer após esta ocorrência. Prevaleceu o bom senso e retomou-se a votação após todos os votos serem triturados em uma máquina à vista de todos.

Como na sessão de sexta-feira ocorrera uma deliberação pela votação aberta, houve recurso ao Supremo, que determinou obediência ao Regimneto Interno do Senado, desde a condução dos trabalhos pelo senador mais idoso, até  a votação em cédulas que seriam colocadas em envelopes e eenfiadas na urna lacrada e de madeira. No reinício deste procedimento, a novidade ocorreu: Renan Calheiros tomou a palavra e reconheceu que a polarização ocorrera e ele desistia da disputa, já antecipando a vitória de Davi Alcalumbre, DEM/AP. Alguns chegaram a sugerir, como Espiridião Amin, que tudo voltasse à estaca zero, em razão da renúncia de Renan. Prevaleceu o entendimento, no entanto, de que o processo estava em curso e devia ser concluido. A vitória foi de Davi Alcalumbre, que logo após já discursou como novo Presidente eleito do Senado da República.

Domingo

O presidente Jair Bolsonaro cumprimentou o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) por sua eleição para a Presidência do Senado. Em sua conta no Twitter, Bolsonaro disse que Alcolumbre tem o desafio de transformar os sentimentos de mudança da população em ações.

“Senador Davi, meus cumprimentos pela indicação de seus pares ao comando do Senado. O senhor tem como desafio transformar em ações o sentimento de mudanças que a população expressou nas últimas eleições. O governo está pronto para também cumprir a sua missão. O Brasil tem pressa!”, disse Bolsonaro.

Alcolumbre foi eleito hoje com 42 votos. Ao assumir a presidência do Senado, ele prometeu acabar com a votação secreta para a Mesa Diretora, prevista no Regimento Interno da Casa. “Esta será a sessão derradeira do segredismo”, afirmou Alcolumbre, acrescentando que sob seu comando “os desejos das ruas terão protagonismo”.

Para Alcolumbre, o Senado precisa ser independente e respeitado, porque é um Poder da República. “O Senado não pode se curvar à intromissão do Judiciário e de qualquer outro Poder”, disse o presidente. Segundo ele, as reformas terão prioridade no Senado.

O senador fez um discurso de conciliação, agradecendo aos que disputaram a eleição contra ele, aos que desistiram e ao senador Renan Calheiros (MDB-AL), que se retirou do pleito na última hora. “Senador Renan Calheiros terá desta presidência o mesmo tratamento dos demais senadores”, afirmou, Calheiros já não estava mais no plenário.

Ag. Brasil

Antenor Ribeiro – Destak News

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *