MPT espera regularização na CMTU

CMTU deve regularizar seu quadro de cargos e carreira

A Companhia Municipal de trânsito e urbanização, CMTU, foi alvo de uma ação do Ministério público do trabalho e condenada em primeira instância para regularizar situação de funcionários que obtiveram promoções “fora do padrão”. As irregularidades constatadas foram muitas e, segundo o presidente André Nadai, herdadas também de outras administrações.

Segundo a ação, assinada pelo procurador Marcelo Adriano da Silva, há casos ”esdrúxulos” e não houve qualquer critério para as promoções internas. Servidores aprovados em concurso para funções que exigiam o ensino fundamental hoje ocupam cargos para nível superior e têm, portanto, salário maior, relatou o procurador. Quatro motoristas, por exemplo, estão em desvio de função. Um deles ocupa o cargo de analista administrativo – com exigência de ensino superior, mas quando prestou concurso o requisito era apenas o ensino fundamental. Os outros três funcionários contratados para serem motoristas ocupam cargos de técnico administrativo, cuja escolaridade exigida é o ensino médio.

O presidente da CMTU e sua esposa, diretora também da companhia, também são alvo de ação do Ministério Público por outras irregularidades denunciadas. Cristiane Hasegawa teria também sido promovida na companhia de maneira irregular.  O caso envolvendo a esposa do Presidente da CMTU já tem desdobramentos. A juíza auxiliar da 1ª Vara do Trabalho de Londrina, Cynthia Okamoto Gushi, é alvo da Corregedoria do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), por ter concedido decisão liminar no processo que envolve as promoções indevidas na CMTU. Cynthia é – como admitiu à Corregedoria – amiga pessoal de Cristiane Hasegawa, uma das servidoras da companhia atingida pela medida, já que está no rol dos funcionários promovidos irregularmente. O marido da juíza é sócio do irmão de Cristiane, o advogado Luiz Fernando Hasegawa. A juíza negou o pedido de antecipação de tutela formulado pelo procurador, beneficiando Cristiane e outros servidores.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *